Buscar
  • ecoproject70

Sobre Perdas e Prevenções

Por Luís Alberto de Oliveira Santos

Geólogo - Diretor Técnico da Ecoproject Ambiental


O ano de 2022 tem sido marcado, no Brasil, pelo grande número de catástrofes resultantes de chuvas intensas e perdas significativas de vidas e bens materiais.


O caso de Petrópolis, no Rio de Janeiro, reflete um fato que já se repete ano após ano em nosso país. Em 2011, matéria do Correio Braziliense apontava a ocorrência de desabamentos e mortes em Petrópolis, esclarecendo que as ocupações irregulares em encostas íngremes seriam as causadoras de tal ocorrência. Passados 11 anos, o que se vê é a repetição intensificada da mesma história.


Encostas e vales de rios têm sido ocupados indiscriminadamente sem que ações efetivas do Poder Público sejam tomadas para coibir tais problemas. Com a supressão de vegetação (muitas vezes em Áreas de Preservação Permanente), os horizontes superficiais dos solos são expostos diretamente à intempérie, aumentando o escoamento superficial das águas pluviais e, automaticamente, conduzindo à formação de processos erosivos e de instabilização de maciços. Ainda, o percentual de água infiltrado promove saturação dos solos até o ponto onde pode ocorrer, em conjunto com os demais fenômenos, os deslizamentos que geram perdas de vidas e de bens materiais.


A velocidade das águas torna-se crítica. Não há barreiras para o escoamento de elevados volumes. A cada vez maior impermeabilização dos solos em áreas não adequadas para tal promove a intensificação deste fenômeno.


O mapeamento de risco geológico é peça fundamental em tal processo, embasando a tomada de decisões acerca das permissões de ocupações em áreas específicas. As ações de fiscalização por parte do Poder Público são necessárias para coibir ocupações irregulares em áreas de risco.


Sem planejamento e ações efetivas, tais ocorrências tendem a se tornar mais frequentes e intensas ano após ano. E as perdas seguirão o mesmo ritmo.


Imagem: Desastre em Petrópolis - RJ.

Fonte da Imagem: Folha de São Paulo, 16/02/2022.


#ecoprojectambiental

#geologia

#risco

#movimentosdemassa

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo